terça-feira, agosto 21, 2018

A Feira Alternativa está a chegar!


Se tal como eu são curiosos no toca a terapias alternativas, saibam que o mais antigo e maior evento nacional de bem-estar e desenvolvimento pessoal e espiritual está a chegar mais uma vez a Lisboa e Porto. 

Este ano a Feira Alternativa em Lisboa acontece de de 07 a 08 de setembro no Parque de jogos 1º de maio no Inatel e no Porto de 12 a 14 de outubro no Centro de Congressos da Alfândega do Porto.

Reflexologia, Acupuntura, Yoga, Tai Chi, aulas e workshops de Feng Shui, Aromaterapia e Taças Tibetanas são algumas das experiências disponíveis aos visitantes na edição deste ano da Feira Alternativa. 

O evento tem como intuito a promoção de hábitos de vida saudável, o bem-estar físico e emocional nas mais diversas componentes e por isso, será ainda possível encontrar alguns expositores especialistas em alimentação racional, cosmética natural e produtos biológicos.

Como habitual, estão já confirmadas algumas presenças nacionais e internacionais das áreas de desenvolvimento pessoal e espiritual.

A Feira Alternativa assume-se como um evento familiar e como tal, terá um espaço e um programa pensado especialmente para os mais novos cheio de actividades tão interessantes como a yoga para crianças e concertos meditativos. 

O Programa completo do evento encontra-se no site da Feira Alternativa e na Página do FB . 
Se gostavam de ir, sugiro que espreitem o programa, vejam qual o dia em que gostavam de visitar a feira e a seguir vão até ao meu instagram porque vou ter 10 convites para a edição em Lisboa para vos oferecer!

Datas e horários: 

Lisboa 

Sexta-feira, 7 de setembro: das 15h às 23h 
Sábado, 8 de setembro: das 10h às 23h 
Domingo, 9 de setembro: das 10h às 21h 

Porto 

Sexta-feira, 12 de outubro: das 15h às 23h 
Sábado, 13 de outubro: das 10h às 23h 
Domingo, 14 de outubro: das 10h às 21h


terça-feira, agosto 14, 2018

Vivemos numa selva de anormalidades!

Não sei o que se passa com as pessoas, mas a cada dia que passa parece que aumenta a falta de civismo, o respeito pelos outros, a intolerância, a educação. Tenho impressão que há pessoas que são tão infelizes que precisam de exorcizar essa infelicidade sob forma de agressividade, como se tratar mal os outros fosse uma necessidade urgente de se evidenciarem e sentirem menos frustradas.

Ontem no parque de estacionamento de um shopping aparece-me um carro pela esquerda, não me bateu por muito pouco. Travei, olhei para o carro onde vi que vinham duas senhoras e algumas crianças, fiz aquele gesto normal de quem até está a seguir a regra da prioridade e de repente apanha um cagaço e segui caminho.

Começo a ouvir gritos, olho pelo retrovisor e vejo as duas senhoras em modo bicho, carro aos solavancos e travagens tal era a raiva, como que a ameaçar bater no meu (?) e consigo perceber que os gritos que ouvia eram as "senhoras" que me chamavam todos os nomes que possam imaginar.

Estava com as minhas filhas no carro e como devem imaginar comecei a ferver de ansiedade, por um lado porque estavam a presenciar aquela triste cena e por outro porque comecei a temer pela nossa segurança caso aquelas duas anormalidades tivessem mais do que garganta. Pensei seguir caminho e parar na esquadra mais próxima, mas este tipo de situações revoltam-me tanto que fui incapaz de sair dai! Que culpa tive eu se não respeitaram o código da estrada? 

Estavam algumas pessoas no estacionamento que assistiam boquiabertas (tal como eu) à triste cena que as outras iam fazendo e decidi parar perto de algumas. Durante a minha vida já lidei com todo o tipo de gente e há uma coisa que sei desde sempre. Tal como não se faz com um cão raivoso, também não se pode mostrar medo a este tipo de "gente" e no momento em que parei, tal como esperava, o carro delas mudou de direcção e nunca mais as vi!

Podia ter corrido mal e é por isso que isto não me sai da cabeça, porque me revolta de uma maneira que nem vos digo. Eu mesmo estando pela direita devia ter feito marcha atrás para deixar aquelas anormalidades passarem primeiro, certo?

As minhas filhas que assistiram a tudo, sabem que de vez em quando infelizmente vamos ter que nos cruzar com pessoas assim, mas que teremos sempre de entender este tipo de atitudes como o mau exemplo, mas e as crianças que vinham no outro carro? O que é que lhes foi passado?


segunda-feira, julho 09, 2018

10 "dramas" na vida de uma mãe de bebé!


1. Conseguir ir ao wc sozinha
A verdade? Passo o tempo a fazer xixi com a miúda ao colo!

2. Banho?
Eu só queria um duche rápido por dia, é pedir muito?

3. A ansiedade da separação
Passo o dia inteiro com a bebé, sonho com meia horinha a tomar um café com uma amiga ou simplesmente a apanhar ar sem braços ocupados e no momento em que apenas imagino que possa ser necessário deixá-la com alguém por 10 minutos que seja, entro em pânico!

4. O "dom" da invisibilidade
É como se de repente toda a gente tivesse passado a conseguir ver apenas a Alice e eu passado a ser apenas a "mãe" que na altura do parto levou uma injecção que a tornou na mulher invisível !

5. Analista do cocó
Alguém tem que analisar o cocó da miúda, adivinhem quem de repente tem uma nova profissão?
Analisar, tirar conclusões e de seguida enviar watsapp ao pai a partilhar os resultados. 
(já aconteceu enganar-me e enviar os resultados para um grupo no watsapp em vez de enviar apenas para o pai!)

6. Muito ajuda quem não atrapalha!
E como por magia, no momento em que me nasceu mais esta criança, começaram a chover palpites até de pessoas que nunca vi na vida!
Como a devo vestir, alimentar, transportar, limpar, pentear e até mimar. Acredito que não o façam por mal, mas será que não era de parar, olhar para si e pensar que talvez com os filhos dos outros seja sempre muito mais fácil ser mãe perfeita!

7. Mamã quero fazer cocó, mudas-me a fralda?
É um dos mistérios da humanidade e uma certeza da vida, acabaste de lhe mudar a fralda? É agora mesmo que vai fazer cocó!

8. O meu nome é Susana!
Ah nasceu? "Parabéns mamã!"!
Acabou, deixei novamente de ser a Susana para passar a ser a "Mãe", "Mamã" ou "mama" (como nos grupos do fb).

9. Dieta?
Não toco em refrigerantes, chocolate, leguminosas, especiarias, 15 tipos de legumes para que ela não piore das cólicas. Não toco em citrinos, lacticínios, ananás, tomate, para que não tenha refluxo. Era de esperar conseguir aproveitar aquele frango com arroz desenxabido, não era? Pois era, mas com a Alice funciona assim:

- Vais-te sentar para comer? É o momento certo para abrir a goela!

10. Colinho?
"ai que a menina está a chorar tanto! Deixa pegar a ver..."
Acharão algumas pessoas que tirar a bebé do colo da mãe ou do pai a acalmará? 

"oh que fofa, deixa pegar! Depois pega a Cremilde, a seguir pega a Lutécia..."

Não!!!! Não, não e não! A minha bebé não é um boneco em exibição e não vai andar a saltar de colo em colo!

Fixem isto, se a mãe ou o pai não perguntarem se gostavam de pegar na criança, acalmem a patareca e fiquem no vosso canto!


terça-feira, junho 12, 2018

A caminho do amanhã 🌍


É fácil rendermo-nos diariamente ao facilitismo que um simples saco de plástico nos dá, à rapidez com que pegamos numa palhinha que pode evitar uma birra ao pequeno almoço e até à praticidade do uso de talheres de plástico num piquenique, mas já não dá para virar a cabeça e assobiar para o lado, é urgente que cada um de nós comece a tomar algumas medidas conscientes. 

São precisos 400 anos para que um simples saco de plástico se decomponha e acho que já cada um de nós parou para pensar no impacto que isto tem para o meio ambiente e para cada um de nós.

Quase 80% do lixo deixado nas praias é plástico e isto não só afecta as espécies marinhas, a saúde humana também está em risco.

E se os resíduos plásticos produzidos nas praias pudessem ser transformados em aparelhos de circuito de actividade física para equipar as próprias praias? 
É isto que o Lidl e o seu projeto TransforMar pretendem fazer acontecer!

Este projecto visa sensibilizar a comunidade para as boas condutas nas praias, desafiando os veraneantes a darem um destino adequado aos resíduos plásticos produzidos durante o tempo que passam na praia, ajudando assim a manter as praias limpas e promovendo um comportamento mais responsável.

A partir do dia 15 de junho o projeto TransforMar vai percorrer 14 praias de norte a sul, onde estará o "Plasticódromo", o depósito próprio onde as pessoas deverão colocar o seu plástico, garantindo assim que terá uma nova vida e não acabará no mar.

Esta acção tão importante do Lidl terá ainda uma particularidade que de certo motivará ainda mais as boas práticas. Durante os três dias em que o TransforMar estiver em cada praia, aqueles que demonstrarem uma boa conduta ambiental e uma correta proteção solar, poderão ser descobertos pelos "olheiros" Lidl e premiados com vales de desconto da loja e outros prémios.

Com esta grande ajuda do Lidl podemos contribuir mais um bocadinho para salvar (se é que isto ainda será possível) o planeta, mas é urgente que cada um de nós no conforto da nossa casa se lembre que é urgente mudar hábitos, mesmo que a nossa mudança pareça apenas uma gota no oceano!










quinta-feira, maio 10, 2018

Ninguém quer saber de mães imperfeitas!


Tenho que vos confessar que cada vez tenho menos vontade de escrever sobre maternidade. 

Não esgotei o assunto (muito pelo contrário, como devem imaginar neste momento gira tudo à volta disso mesmo!) e definitivamente não será por desinteresse, mas olhem para as redes sociais e digam-me o que vêem?

Eu vejo todo um mundo povoado de mães perfeitas cheias de dicas infalíveis e truques super úteis (?) para partilhar, mostrando com filtros maravilhosos como ser uma Mãe com M grande, mesmo que muitas vezes seja a babá (ou a tv, ou o youtube...) que está ali a gerir a coisa enquanto a super mãe escreve o post patrocinado! 

Confesso, isto faz-me ficar quieta no meu canto porque ninguém quer ouvir falar de vidas reais (REAIS e não "reais" como agora também virou moda).

Que tipo de mãe se identificaria comigo que com uma terceira filha agora no colo ainda não sabe tudo? Eu tenho obrigação de saber tudo, não é?

Quem é que entenderia que eu, mesmo no auge da alguma tranquilidade que um terceiro bebé me dá, hoje engoli o almoço em três minutos com a Alice no colo porque estamos a ter um dia difícil com cólicas e refluxo e não há forma de a acalmar sem ser colada a mim? 

E quão ridículo e imperfeito é dar-me conta agora que hoje nem fazer xixi tem sido prioridade para mim?

A vida e a individualidade de uma mãe não pode acabar com a chegada de um bebé, dizem as "especialistas" em maternidade, enquanto postam selfies no ginásio, na manicure, no cabeleireiro e o que tenho eu para vos contar sobre a minha vida pessoal? 

Que nesta foto podem ver a minha tentativa frustrada de não parecer uma manga chupada. Frustrada porque assim que peguei no ferro para dar um jeito ao cabelo, baby Alice abriu o olho e a goela!

Que depois deste episódio e porque ela ate estava a dormir bem mais calminha, achei que era boa altura para ir com a minha filha mais velha trocar uma coisa e no exacto momento em que entrámos na loja, baby Alice abre novamente a goela e a loja pára a olhar e a fazer juízos de valor enquanto eu abro rapidamente o frasco de aerom para acalmá-la uns segundos até conseguirmos desaparecer dali para fora e voltar para casa!

A maternidade imperfeita não é fotogénica e eu mãe imperfeita não tenho três braços, porque se assim fosse, fazia agora uma selfie do momento em que dou de mamar à Alice e escrevo este post sem qualquer interesse.   




quinta-feira, maio 03, 2018

This is us ❤


Que o tempo passa depressa demais ninguém tem dúvidas, mas ao olhar para a Alice já com um mês, percebo que os 9 meses só nossos voaram e dou por mim a desejar ter registado mais momentos com ela ainda na barriga.

As fotografias são a lembrança que fica para sempre, quando inevitavelmente um dia a nossa memória nos começar a falhar e mesmo com mil e quinhentas fotos que passamos os dias a guardar, havia o desejo de registar de forma especial este momento. 

Pensei fazer uma sessão na gravidez mas acabei por ir adiando. Também estive quase com sessão de recém nascido marcada, mas a logística que implicava a deslocação com uma bebé tão pequenina, a minha lenta recuperação e a vontade de incluir toda a família num registo especial, foram adiando os planos até a Jéssica me ter desafiado a fazer uma sessão intimista, como que a adivinhar aquilo que eu desejava.

E foi assim que numa tarde de sábado no quentinho da nossa casa, recebemos a Jéssica que de uma forma super tranquila e profissional captou a essência da nossa família e nos brindou com fotos deliciosas!

Confesso que estava um pouco ansiosa por não saber muito bem como seria fotografar uma bebé, mas a Jéssica (que também é mãe de uma Alicinha!) teve imensa paciência, deixando que tudo fosse feito ao seu ritmo.

Entre fotos de uma Alice que exigiu mamar durante a sessão, uma Marta que resolveu chamar a si a atenção que achou não lhe estarem a dar, uma Camila que vá-se lá saber porquê adora fazer o seu ar mais antipático para as fotos, um pai babado e uma mãe cansada, digam-me lá se a Jéssica não conseguiu fazer magia e as fotos estão ou não maravilhosas?











Informações sobre Jessica Jorge Familia Photography em:
Facebook 
Instagram
e-mail: jkvphotography@gmail.com

quarta-feira, fevereiro 28, 2018

Louca por cestas!

"Mas tu não devias andar preocupada só com a mala de maternidade e coiso?"

Vá, podem dizer, eu sei que é isto que estão já a pensar. 

E é verdade, a mala da maternidade também requer alguma atenção e eu até posso ainda ter muita coisa para preparar em relação à mini ansiosa, mas a mala já está preparada, não vá ela ser apressadinha!

Posto isto, a minha atenção anda virada para outro tipo de malas. Sou louca por cestas, tenho algumas, mas a zara não perdoa e acho que me vou oferecer pelo menos mais uma destas.

O difícil aqui vai ser escolher porque gosto de todas! Socorro!

Qual escolho? Ajudem-me!

29,95€

25,95€

25,95€

25,95€

25,95€

25,95€


29,95€

35,95€