quinta-feira, março 22, 2007

Memórias

(...)Vou recomeçar,
Vou tentar viver
Vou tirar você da minha vida
E pra não chorar
Antes de partir
Vou tentar sorrir na despedida (...)

Hoje acordei com esta música…

E hoje acordei com saudades, com vontade de te agarrar outra vez, como tantas. Com vontade de te fazer meu nem que fosse por umas horas, quatro, três, duas, uma vez só se tivesse que ser, mas meu!
Era assim uma sensação indescritível, uma comichão nas mãos, daquele género algo-que-sobe-e-que-desce-e-que-se-atravessa-no-meio, uma vontade de gritar e rir e chorar e tudo ao mesmo tempo!

Olhei para o teto, vi o candeeiro quase a cair e pensei em ti…
Levantei-me, olhei para o espelho vi uma ruga nova na minha cara, vi que o creme tinha acabado e foste tu o meu pensamento imediato…
Abri a porta do roupeiro e tive a certeza de que ainda preciso de ti para ter coragem para enfrentar um dia de trabalho e de encontros importantes!

Dei por mim a recordar os últimos dias que estivemos juntos, dei por mim a pensar em todas as loucuras que fiz contigo e tive pena que tivesse sido como foi. Tive pena que tivesse sido radical, mas tinha que ser, sempre foi a melhor forma de lidar com os vícios. E tu foste o meu maior vício, tu foste aquele prazer que deixei de poder controlar.

Lembrei-me da minha ultima viagem em que tive que te levar comigo e das extravagâncias cometidas. Cada vez que olho para todas as lembranças que trouxe do frio lembro-me que cada uma tem um pouco de ti e choro para resistir, é a minha defesa.
Tento viver um dia de cada vez como fazem os viciados mas quando realizo que nunca mais te vou poder tocar porque sei que tem que ser assim, custa-me, tanto que nem eu sei explicar de onde me vem toda esta necessidade de te tocar, de te usar, de te saber meu!

Tu nunca me desprezaste e mesmo assim a cada dia o meu interesse por ti foi aumentando! Afinal tu és a prova que nem só de desprezo se alimenta o interesse de uma Mulher!
A nossa relação nunca foi perfeita, na verdade ainda hoje não sei se chegamos a ter uma relação ou se apenas me querias porque te dava gozo ser usado!
Por vezes tenho vontade de te procurar, por vezes a vontade torna-se quase uma necessidade que tenho de satisfazer para não enlouquecer e tenho medo que um dia destes não consiga controlar-me….. porque contigo eu NUNCA quis controlar-me!

Já outros tentaram ocupar o teu lugar mas não vale a pena, não é a mesma coisa, contigo eu ia ao limite! Contigo eu ultrapassei os limites!
As últimas notícias que tive tuas chegaram por carta e foram as piores possíveis! A ultima carta, o fim, a meta, ó vida cruel!!!
O que me tem feito resistir e saber ter calma são as lembranças do que era mau, do depois, o depois era sempre muito mau. A culpa, a tristeza, o arrependimento para depois voltar tudo ao mesmo, era uma bola de neve!!! Era mais forte do que eu!

E depois olho para tudo o que me lembra de ti, oiço aquelas musicas que me acompanham porque tu assim permitiste, nas compras (tantas) que fizemos juntos, na minha casa que ajudaste a renovar (uma e outra vez), nas roupas lindas que compramos juntos, na companhia que me fizeste em Praga quando me senti tão sozinha e não sei até quando vou conseguir não voltar a usar-te meu querido Cartão de Crédito!

(é bom que tenham chegado ao fim do texto porque não quero cá mal-entendidos! bamo lá a ber se a gente se entende!)

15 comentários:

  1. Acho que o meu monitor ainda levou um murrito. Eu a pensar que estava mais um grande escrito de coração partido e, afinal, o desconsolado era o porta-moedas...

    ResponderEliminar
  2. AHHHHHHHHHHHHHHHHHH
    Eu pensei MESMO que estavas a falar de um gajo!!!!!
    :)
    Muito bom!

    ResponderEliminar
  3. Pois! Também eu! Não estava a perceber nada de nada...

    ResponderEliminar
  4. Niki, estás a ficar muito terra a terra...

    Beijocas

    ResponderEliminar
  5. Xiiiiiii....

    Ihihihihi... Eheheheh... Ahahahah...

    Muito bom... É bom realmente ter um amigo que seja tão fiel... Bem pior é o irmão dele, que tb deves conhecer bem ... o Extrato (ihihihi)

    Bjs

    Rebelmind out...

    ResponderEliminar
  6. Miss Niki, fiz referencia ah sua pessoa. Como ja a tenho nos meus links permanente abstenho-me de colocar no post. Beijocas e... bem... ja chegou a conta do delirio de carnaval, ne? eheheheh

    ResponderEliminar
  7. LLLOOOLLL Está demais! Engana mesmo até ao fim!

    ;)

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  8. Não uses pá, o cartão de crédito só te faz sofrer. Não sejas má contido mesma. ihihhihh

    ResponderEliminar
  9. lol eu aqui a pensar que estavamos diante uma declaração de amor, um aperto no coração por causa de certo gajo.. e afinal é o cartão de crédito lol. Tá mt fixe sim senhor lol. Beijocas

    ResponderEliminar
  10. ...cheguei ao fim. estamos entendidos! ;) Aqui se dá o verdadeiro sentido á expressão: "com a verdade me enganas"!

    ResponderEliminar
  11. XII
    Algo incorpóreo assaltou este sono
    e tingiu-me nos olhos semi-cerrados como uma iluminação
    ciclícamente mais aterradora, é deserção inútil
    num exército de desertores pré-adolescentes;
    veio sob a forma de imagem contraditória
    dum sabor tenro desejadíssimo, como sede esfomeada
    sem explicação, apenas muito mais que hipótese desperdiçada
    que nos belisca pé ante pé por debaixo da cama,
    entre restos de algodão despegados do pijama,
    sente-se o múrmurio do óbvio nessa respiração áspera
    e progressivamente mais ofegante.

    Num quarto arroxeado pelo fumo permanente,
    quatro inspirações chegam, bronquodilatador, sinusite e
    olhos despertos para mais desvios e outra hipótese possível,
    tamanho hábito de conluio pelas mesmas respostas,
    com impressões imprecisas talvez fugazes mas carentes
    que nesse dia, déssemos as mãos, no escuro do sono,
    sem nos vermos sequer, como numa sala de cinema
    a concluir e a iniciar acordo mútuo entre polegares,
    nunca planeado nem pretendido,
    mas assustadoramente natural.

    Uma canção de amizade ouve-se no silêncio,
    mudas de posição, rebolas na cama, censuras
    o mal estar infiltrado, a caibrã do organismo,
    um corte por onde se tenta esvaír o pensamento,
    olho-te com os olhos com que anseio ver de novo,
    vejo teu cabelo ruivo em desalinho,
    posso afagar de levezinho essa face branca caso queira
    fazer-te sentir melhor, sem pensares em monstros
    mas, em teus sinais castanhos espalhados como ilhéus
    dançarinos num céu complexamente configurado e,
    quase desmaio na boca, nos lábios,
    no teu sorriso lindo de menina aniversariante
    a agradecer contente os presentes a quem ama.

    Olho-te a meu lado
    sem te puder tocar,
    como se um alarme fosse disparar de repente
    e um punho voasse a partir-me a cana do nariz,
    estou perdido neste delírio que não compreendo
    como surgiu assim em mim,
    leve e ténue e nunca esperado e sem merecer
    sei-o por um facto que tenho que esperar
    pelo relâmpago da loucura extrema,
    a tempestade turva da insanidade.

    2003
    in fotosíntese


    www.motoratasdemarte.blogspot.com

    ResponderEliminar
  12. Que máximo!
    Exccelente texto. E giro, giro, é voltar a lê-lo depois do fim e ver que tudo bate certo :-D
    Parabéns!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  13. fantástico!
    fantástico o texto e fantástica a surpresa final.
    sugestão: se algum dia te vires na necessidade de xorar por um amor perdido usa o texto de novo
    não falha nada

    ResponderEliminar