segunda-feira, janeiro 06, 2014

Been there done that

Eu sei que estás em perigo. Sei porque já te vi assim outras vezes. Porque já te ouvi falar muito desse sentimento. Olhos a brilhar, lábios a tremer, mãos a apertar e porque sei que nenhum outro te deixa assim. Sei que depois dessa euforia nervosa e desses risos de miúda, te vais apaixonar perdidamente. Vais perder o apetite, o sono e todos os interesses alheios a ele. Vais começar a gostar de coisas que nunca imaginaste e vais achar graça a tudo o que venha dali. Sei que vai estar no meio de cada conversa que tivermos, mesmo que o tentes evitar. Ninguém e nada mais terão a tua total atenção. Vais adormecer e acordar feliz. Vais fazer tudo a pensar nele e sentir um arrepio a cada pensamento, o que significa que andarás numa espécie de êxtase com toque de gastroenterite. Os teus dias verão o sol que brilha, os pássaros que cantam, a música que toca do nada, mesmo que os outros digam que chove, que os pássaros caiem e que troveja lá fora.

Eu sei que estás em perigo. Sei porque não sabes gostar controladamente, porque queres todas as sensações e porque te perdes nos teus próprios desejos. Sei que rapidamente passarás da euforia da felicidade à profundidade da tristeza. Sei que o teu humor mudará de acordo com a forma como ele te tratar no momento e sei que tudo farás para beber do pouco carinho que te der. Sei que te vai dar pouco porque tu não sabes escolher, porque não é o teu cérebro que escolhe. Tu gostas daquilo que não te dá facilidades, gostas do que te desafia, do que te parece à partida inalcançável. 

Eu sei que estás em perigo. Não só porque te conheço a história, os lugares, mas porque também lá estive um dia. Somos iguais. Sei que vais sofrer e não te quero deixar ir, mas também sei que não o poderei evitar. Já escolheste lançar-te em queda livre e vais acabar por cair sozinha. Quando isso acontecer não vais querer falar, chorar e nem olhar para ninguém, mas eu sou igual a ti e vou-te amparar sem perguntas, sem cobranças, sem palavras. Vou estar simplesmente lá. 

3 comentários:

  1. E às vezes isso, o silêncio, o abraço, é mesmo o mais importante!

    ResponderEliminar
  2. E o estar simplesmente lá para um abraço é tão importante.

    ResponderEliminar
  3. e nesse momento isso é mesmo o meia importante...quem de nós já nao precisou desse abraço...

    ResponderEliminar