sexta-feira, janeiro 08, 2016

Sobre Divórcios

Quando o assunto é a vida dos outros, há sempre muita gente a opinar e a vomitar teorias e frases feitas que um dia ouviram ou leram em algum lugar e que completaram com aquilo que elas próprias são. Não param sequer um segundo para pensar como seria se fossem elas a estar realmente no lugar do outro.

A facilidade com que se julga quem vive o que nos é desconhecido, é sempre triste e ainda assim prende-se por ter cão e por não ter. “ai se fosse comigo nunca seria assim”, “ai hoje em dia nem se esforçam, à mínima chatice separam-se logo”.

Não vou falar do meu divórcio, muito menos daquilo que senti por parte dos que acharam que faziam parte e tomaram partidos completamente alheios a tudo, e que curiosamente eram os mesmos que sorrateiramente disparavam “se não estão bem, porque estão juntos?”. Isso na verdade é assunto acabado e só me fez arrumar juntamente com o divórcio os lugares e pessoas que afinal não pertenciam à minha vida.

Mas quero, tenho que dizer aos que não estão felizes, mas que acham que nada podem fazer a não ser conformar-se, que há quem os entenda. Mesmo! 
Quer virem um dia a mesa, ou permaneçam ali porque lhes falta a força.

Os motivos podem ser mil e um, mas há uma coisa que eu sei e que todos (achava eu) deviam conseguir perceber: 

Uma separação vem sempre acompanhada de muito sofrimento e não é preciso apenas coragem para tomar a decisão (que não aparece de um dia para o outro, já agora), é preciso muita coragem para a conseguir manter.

Saberão os que criticam, o que dói arrancar raízes? 

Saberão o esforço que implica o processo de recuperação de individualidade? 

Terão noção da dificuldade que é desistir de planos, de sonhos, deixar tudo para trás?

Passará pelo cabeça dos que julgam e se achando com capacidade superior para tomar decisões imediatas e cheias de alusão à sua personalidade forte, o que é RECOMEÇAR UMA VIDA DO ZERO?

Acharão que é de um dia para o outro que por capricho se passa a fazer pinos e cambalhotas para conseguir pagar sozinho todas contas que eram divididas? 

Conhecerão por acaso a realidade que é viver e gerir sozinha uma vida (com ou sem filhos) neste país?

Imaginarão que eventualmente haverá quem tenha de encarar os seus cuidados de saúde como um bem não essencial, em prol dos filhos?

Se não calçaram os sapatos do outro, agradeçam a vida perfeita que felizmente têm, as noites de sono tranquilo que isso vos permite e não julguem, porque cada um sabe a cruz que carrega.

Sou completamente a favor dos recomeços e acredito mesmo que não devemos conformar-nos com o quase-feliz, mas sei (sinto-o diariamente) o que custa conseguir virar a mesa e mudar de vida e é por isso que vos peço que parem para pensar antes de falar da vida de alguém.

7 comentários:

  1. e tu es uma mulher forte e consegues tudo o que queres caga nos outros

    ResponderEliminar
  2. Por muito que doa o arrancar raízes, todos merecemos ser felizes e ninguém tem direito a dizer um "ai" sobre a dor alheia.Aliás se fossemos tão rápidos a julgarmos os nossos erros e defeitos como julgamos os outros o mundo seria um lugar bem melhor.
    Beijinho ��

    ResponderEliminar
  3. Ola minha querida, eu passei pelo divorcio e não critico quem o faça, mas tens razao em tudo que dizes. O quase feliz não deve existir. E sim começa-se a vida do ZERO... o que custa? Os filhos. Mas para a minha filha ser feliz eu tenho que ser feliz. Por isso não desanimes. Eu ainda tenho maus momentos, passo muito tempo sozinha. Mas nada me faz voltar atrás. E agora tenho uma pessoa do meu lado que aos poucos percebe os meus sentimentos, porque também já passou pelo divorcio. Mas nunca devemos perder a esperança. Acho que nascemos para sermos felizes. A vida é tão curta. Beijinhos, estou do teu lado. E agora critiquem á vontade. Na minha idade já pouca coisa me afecta.

    ResponderEliminar
  4. Querida, obrigada!

    E já agora, és fantástica! Beijinhos

    ResponderEliminar
  5. Susana... ao ler o seu texto (curiosamente temos o mesmo nome) não pude deixar de me rever em tudo que escreveu. Recentemente senti e ainda estou a sentir tudo o que relatou... Boa sorte nessa nova etapa, o lema é não desistir, sobretudo de nós. Beijinhos

    ResponderEliminar